O ministro da Saúde, Marcelo Queiroga, afirmou à coluna da Mônica Bergamo na Folha de S. Paulo ser “muito provável” que a pasta diminua o intervalo entre as duas doses da vacina da Pfizer contra a Covid-19 para 21 dias. Atualmente, o hiato é de três meses.

O prazo de 21 dias é o previsto na bula do imunizante, mas a pasta decidiu ampliá-lo para imunizar mais pessoas com a primeira dose em um período de tempo menor. Segundo Queiroga, a decisão também foi motivada pela incerteza sobre a quantidade de doses que o país receberia neste ano.

O ministro da Saúde, Marcelo Queiroga | Foto: Marcello Casal Jr/Agência Brasil

“Naquele momento, não tínhamos certeza da quantidade de doses de Pfizer que receberíamos neste ano e optamos por ampliar o número de vacinados com a primeira dose. Mas agora temos segurança nas entregas e dependemos apenas da finalização do estudo da logística de distribuição interna dos imunizantes para bater o martelo sobre a redução do intervalo da Pfizer para 21 dias”, assinalou o titular da Saúde.

Fonte: Metrópoles
COMPARTILHAR

Comentários no Facebook

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui