Foto: HUGO BARRETO/METRÓPOLES

O Fundo Monetário Internacional (FMI) avalia que o fim de auxílios financeiros pagos pelo governo brasileiro durante a pandemia do novo coronavírus vão reduzir o consumo das famílias e retardar a recuperação econômica.

A conclusão consta em relatório sobre o Brasil publicado nessa quarta-feira (2/12) pelo Conselho Executivo do FMI. Leia aqui a íntegra do texto (versão em inglês).

O FMI informou que as autoridades brasileiras implementaram programas emergenciais de transferência de renda e retenção de empregos, além de terem aumentado os gastos com saúde na crise sanitária.

O governo federal tem creditado, desde abril deste ano, um auxílio emergencial de R$ 600 (o valor foi reduzido para R$ 300 a partir da quinta parcela) a cerca de 60 milhões de brasileiros.

Extensão incerta

A extensão do benefício, no entanto, é incerta. O presidente Jair Bolsonaro (sem partido) e o presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia (DEM-RJ), já se posicionaram contra a prorrogação do auxílio emergencial.

“Alguns querem perpetuar tais benefícios. Ninguém vive dessa forma. É o caminho certo para o insucesso. E temos que ter a coragem de tomar decisões”, disse Bolsonaro, nessa terça-feira (1º/12).

Por sua vez, ao ser questionado sobre a prorrogação do auxílio, Rodrigo Maia foi direto: “Isso é problema do governo, só que não haverá PEC da Guerra mais. Essa acaba dia 31”.

O FMI enfatizou que as autoridades deveriam estar preparadas para fornecer um apoio direcionado adicional e alertou contra uma retirada abrupta do apoio fiscal.

“Os efeitos persistentes da crise da saúde e a retirada esperada do apoio fiscal irão restringir o consumo, enquanto o investimento será prejudicado pela capacidade ociosa e alta incerteza”, avaliou.

Fonte: Metópoles
COMPARTILHAR

Comentários no Facebook

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui