Quase 200 mil brasileiros tiveram o WhatsApp clonado só em janeiro deste ano, de acordo com informações do dfndr lab – laboratório especializado em segurança digital da PSafe.
Segundo o levantamento, realizado pela instituição, São Paulo segue liderando a lista de estados mais afetados, com 41,2 mil vítimas no primeiro mês de 2020.
Conforme revelado, o golpe do WhatsApp clonado também passou a ser direcionado à pessoas famosas, como atores, youtubers e influenciadores, no chamado “golpe da festa”.
“No golpe da festa, o criminoso pesquisa por eventos que terão a presença de pessoas famosas. Depois, se passando pelo organizador da festa, o golpista entra em contato com a potencial vítima para solicitar uma suposta confirmação de identidade. Para realizar a confirmação, a pessoa precisa informar um código enviado ao seu celular”, explica Emilio Simoni, diretor do dfndr lab.
“Contudo, o que a vítima não percebe é que este código se trata de um PIN de seis dígitos que libera acesso à sua conta do WhatsApp. Ao fornecê-lo, ela tem a conta bloqueada em seu celular e liberada no aparelho do atacante. A partir daí, a vítima tem seu WhatsApp clonado”, finaliza.
O diretor listou alguns cuidados que os usuários devem ter para não cair em golpes como este. Confira algumas recomendações:
  • Tenha cuidado ao clicar em links compartilhados no WhatsApp ou nas redes. 
  • Para evitar ter o WhatsApp clonado, ative a autenticação em dois fatores. 
  • Confirme a veracidade do link com ferramentas especificas e utilize soluções de segurança no aparelho.

FONTE: Metro Jornal

        COMPARTILHAR

        Comentários no Facebook

        DEIXE UMA RESPOSTA

        Por favor digite seu comentário!
        Por favor, digite seu nome aqui