O relacionamento da deputada Rejane Dias (PT-PI) com as empresas que fraudaram contratos de transporte escolar no Piauí “remonta há pelo menos sete anos”, quando ela começou a alugar carros das empresas de Luiz Carlos Magno. É o que diz a decisão que autorizou a deflagração da Operação Topique, a que O Antagonista teve acesso. As informações são do O Antagonista.

Rejane foi deputada estadual entre 2011 e 2015 e, segundo a decisão da Justiça Federal do Piauí, assinou contratos com empresas do Grupo Locar, de Luiz Carlos Magno, para receber de volta parte do dinheiro.

De acordo com o despacho, “pelo menos em novembro e dezembro de 2014”, ela pagou R$ 11,8 mil por mês a empresas do grupo e recebeu de volta no gabinete R$ 8 mil.

O nome de Rejane Dias foi destaque em toda a imprensa nacional nesta segunda-feira (27) – Foto: Reprodução

“A constatação de repasses de vantagens econômicas indevidas das empresas chefiadas por Luiz Carlos Magno Silva aos agentes públicos, a partir do recebimento e dinheiro em espécie e operações bancárias (…), aliada ao fato de que essas vantagens eram pagas concomitantemente à vigência dos contratos e aos respectivos pagamentos pelos órgãos públicos revelam, de acordo com a Polícia Federal, ‘o maior esquema criminoso nas contratações de transporte escolar que se tem notícia no país’”, escreveu o juiz, na decisão de hoje.

Rejane Dias foi alvo de operação hoje que investiga desvios de mais de R$ 50 milhões em contratos de transporte escolar no Piauí. Segundo a PF, o dinheiro foi enviado ao estado por meio do Fundeb e do Programa Nacional de Apoio ao Transporte do Escolar (Pnate).

Fonte: O Antagonista
COMPARTILHAR

Comentários no Facebook

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui